24 de junho de 2013

Conceitos básicos para o manifestante iniciante

Você chegou até aqui – eu não sei como, ou por que, mas você chegou até aqui. Você tem acompanhado os acontecimentos das últimas semanas, está se envolvendo e se importando com eles, e tem ouvido diversas pessoas falando sobre diversos assuntos de diversas maneiras, umas conflitantes com as outras. Talvez você tenha se sentido perdido no meio de tanta informação, sem saber direito o que fazer ou o que pensar, porque convenhamos, todo mundo está um pouco assim.  Muitas pessoas estão dizendo que “o Brasil acordou”, porque agora elas começaram a se manifestar e participar de discussões com um viés mais político, o que é ótimo, realmente, é maravilhoso. E também é bastante confuso. 
Esse texto é para você, que ao mesmo tempo em que se sente, de alguma forma, uma pessoa melhor por estar discutindo temas importantes para o país, também não conhece muito a fundo os temas e termos que são abordados nessas discussões. Ele todo exprime uma opinião pessoal, eu não sou nenhuma especialista, e eu tenho uma visão parcial, porque (informação importante!) eu sou de esquerda. Não feche a janela agora, veja só: pelo menos eu estou declarando isso e te avisando de antemão! E já que eu abordei isso, vamos começar falando sobre essas posições: 

Esquerda x Direita
O que é a esquerda, o que é a direita? Qual é boa, qual é má, qual é a certa? Antes de tudo, elas são posições – elas falam, no geral, sobre como você tende a se colocar e acreditar no que tange questões políticas. Não quer dizer que você concorde com tudo de uma ou de outra, nem que elas sejam exatamente opostas, porque você pode ter algumas visões de esquerda, outras de direita, e isso é bastante normal. Mas você provavelmente vai se alinhar mais com uma ou com outra – para referências, alguns testes ajudam a falar para você como as posições que você defende te classificam no espectro político.
Nesse ponto, eu não posso te falar qual é melhor ou qual é a correta. Eu já disse que eu sou de esquerda, mas acredito seriamente que você TEM que pegar um tempinho e ir ler sobre uma e sobre outra, para conhecer melhor. Não fique com o que você ouviu falar (de parentes, professores, ou da mídia), e permita-se alguma flexibilidade para refletir e questionar algumas coisas. Se você quer mesmo se inteirar de política, você vai ter que fazer isso, não tem jeito.
Muita gente diz que no Brasil não tem esquerda e direita, o que é no mínimo estranho: obviamente, as pessoas não acreditam todas nas mesmas coisas. Muita gente diz que a esquerda ou a direita é ruim, e é a causa de todos os males do país, o que também é muito bizarro (aliás, se você for levar alguma coisa desse texto, leve isso: nada é totalmente bom, ou ruim, principalmente na política). Muita gente fala que a esquerda não existe, outros falam que todo mundo no Brasil é de esquerda, e a única verdade que você pode tirar disso é que, bom, não existe consenso nenhum – e desconfie de quem disser que existe.

O que são e o que querem os Partidos Políticos?
Basicamente, são grupos de pessoas que possuem visões em comum, e buscam defender essas visões – principalmente elegendo candidatos desse partido para ocupar cargos públicos, mas não é só isso. A ideia é que um partido seja a ligação entre a sociedade e o governo, defendendo junto a ele o que as pessoas que o apoiam desejam – a questão toda é que é muito mais fácil fazer isso através de um grupo organizado, com representantes e tudo, do que fazer sozinho. Não vou entrar no mérito de como nossos partidos atuam, sejam eles o PT, o PSDB, o PSOL ou o PSTU, mas a filosofia por trás deles é essa, e as pessoas tem o direito de escolherem um, não escolherem nenhum, defenderem ou criticarem todos.
Nas manifestações que tivemos nos últimos dias muita gente tentou impedir a participação de partidos, o que é estranho uma vez que eles são grupos de pessoas que defendem algo, inclusive podendo defender o que se estava manifestando. Existe uma diferença entre ser apartidário, ou seja, não se alinhar nem participar de nenhum partido; e ser antipartidário, que é ser contra eles e não permitir que eles participem de algo, que foi o que ocorreu. Muitas pessoas foram para cima de grupos com bandeiras ou camisetas de partidos de esquerda, o que vai contra nossa forma de governo, a democracia. Eu vou falar mais dela no próximo tópico, mas terminando esse aqui, fica o apelo: não seja a pessoa que tenta rasgar uma bandeira com os dentes, por mais que você, por algum motivo, não goste daquele partido. Você não precisa gostar, e tem todo o direito de criticar e condenar, mas é sua obrigação, ainda mais em manifestações políticas, tolerar.

Democracia
Continuando, ninguém pode impor, ou querer que tudo seja somente como ela acha que deve ser, porque isso vai totalmente contra nossa forma definida de governo, a democracia. Na democracia, defende-se que é do povo o direito de tomar decisões, e ele pode fazer isso de várias formas, principalmente, mas não somente através do voto. Ela também defende os direitos das minorias, a liberdade (incluindo a liberdade de expressão!), e a obrigação da população em participar da vida política. Principalmente, a democracia é o total oposto da ditadura, onde as pessoas tem muita liberdade para apoiar, mas nenhuma para se opor ao governo.
Apesar de nos últimos dias algumas (ok, infelizmente várias) pessoas aparecerem defendendo outras configurações – e eu estou falando de gente que apoia da ditadura – a democracia ainda é a melhor forma de se operar um país, porque é onde todo mundo tem o livre direito de criticar, condenar ou querer mudar algo. Nenhuma das manifestações que tivemos nesses últimos dias seria possível se não tivéssemos um estado democrático, porque bom, ninguém poderia ser contra ou criticar nada sem ser prontamente condenado ou silenciado. Antes de defendermos nossa posição política ou nosso partido, é nossa obrigação defendermos a liberdade para todo mundo defender o que quiser – e isso vai além de não gostar do PT ou ter ressalvas quanto ao governo da Dilma. Querendo ou não, eles estão lá por decisão da maioria, de forma democrática!

A vontade de estar certo
Bom, esse texto ficou bem maior do que eu esperava, mas antes de terminá-lo eu queria falar sobre mais uma coisa. Eu entendo, sério, entendo mesmo, a vontade que todos nós temos de estarmos certos. A vontade de ganhar uma discussão, a de falar algo e saber que esse algo é o algo certo, no meio de tantos “algos” errados, a vontade de nossa posição ser a correta e ser melhor do que as outras. Fazer o que, é o ego humano, e mesmo os maiores líderes, os mais progressistas, os que mais defendem os direitos de todos, também caem nessa de quererem estar certos. Mas a verdade é que, bom, nem sempre nós estamos. Escrevendo tudo isso, na vontade de ajudar e explicar algumas coisas para você, eu também devo ter errado e falado algumas, ou várias, besteiras. E por mais que eu queira estar certa, e ganhar uma estrelinha por estar certa, eu vou aprender mais e ganhar mais com cada coisa que me mostrarem que eu estava errada. 
Na situação em que estamos atualmente, muitos meios e muitas pessoas estão falando sobre as certezas delas, o que não é errado – só fica errado quando as pessoas não ouvem outras opiniões, ou tentam ir contra elas. Eu resumi bastante alguns conceitos básicos aqui, mas tem um mundo de textos e vídeos que você deveria ler, para saber cada vez mais, e até para ficar cada vez mais certo. Mas qualquer um desses textos – inclusive esse aqui! – leia com atenção, tentando manter-se aberto para reavaliar suas próprias posições, e sempre, sempre questione aquilo que o autor disse. Pense nos motivos que ele pode ter para te dizer aquilo, e procure opiniões diferentes das dele, para então chegar à sua própria conclusão.

Esse texto faz parte da Blogagem Coletiva pela Democracia, e eu recomendo a leitura dos outros textos que também estão participando. Por fim, fico aqui aberta para dúvidas e críticas – e que continuemos todos em defesa de nossas pautas, e acima de tudo, dos ideais democráticos!